26 de mai de 2017

Assembléia interna - poema de Miliane Tahira



Estou em uma assembléia interna, pauta: eu mesma
Infinitas vozes ecoam em mim
Vozes multiplicadas pelos (des)caminhos traçados
Entre força e singeleza!

Na voz da ilusão nuvens se desfazem
"O caminho é seu"
Redentora do meu eu
Mudo a direção.

"A vida não se leva, a vida se constrói"
Essa assertiva dói
Dada pela Razão

Vozes humanas, transcendentais, naturais
Se misturam e se dissociam
Por vezes gritam para serem ouvidas,
Por vezes sussurram verdades conhecidas

Vozes que me constituíram, constituem, marcam
Em cada passagem nesse espaço_tempo
Ás vezes sussurram e acalentam
Firmam verdades
Ecoam no vento...

Tempo, Tempo, Tempo
Senhor soberano
Chega vestido de prata
Traz na mão uma espada

Curvo-me a tamanha beleza
Abre meus olhos
Expõe minha face
E minha fraqueza
Transforma-se em arte

Abraço a minha sombra, um abraço de apreço
Desfaço o final
Encontro o começo
Abro o peito, reconheço

O inimigo: é só um sim
Ele morre ao consentir
A nudez da minha alma
Hoje não fujo mais de mim!!!!

Miliane Tahira

9 comentários:

  1. Fantástico! Autobiográfico, intenso, repleto de sentidos e subjetividade. Definir-se, conhecer-se, não é propriedade de todos... amo sua escrita Mile, parabéns pelo talento...

    ResponderExcluir
  2. tocou-me profundamente. Só sinto que sinto. Simplesmente magnífico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que sintamos, o objetivo é esse!!! Gratidão!!! Feliz que tocou!

      Excluir
  3. Lindo, Miloca, estou percebendo alguma influência de alma "oldegaresca". Que sai aos seus, não degenera diz o ditado. Mas eu afirmo; evolui! Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Grata tio. Somos marcados pelos nossos ancestrais!!!! Que honra tê-los como parte de mim!!! Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Amei!! Muito intenso e verdadeiro! Parabéns,saudades,beijos����

    ResponderExcluir
  6. Amei!! Muito intenso e verdadeiro! Parabéns,saudades,beijos����

    ResponderExcluir