19 de jun de 2013

Devaneios sobre o meu caminhar hoje, na dança do ventre...



Após conversa , em rede social, com uma bailarina cujas ideias muito me identifico e admiro, Viviane Amaral, sistematizei, a partir de reflexòes, o que busco hoje em meu trabalho de dança do ventre..

Há  muito tenho questionado sobre essas metodologias de apendizagem na dança do ventre, em que um modelo é seguido de forma repetitiva ,automatizada e exclusivista do movimento. Talvez isso seja importante no começo, em que se precisa de base para poder transcendê-las, mas não estacionar nesse modelo mertodológico copista, em que dançar bem e aprender, confunde-se com repetir padrões...
Acho  que como educadora, que trabalha com metodologias educacionais e acredita na autonomia e construção do conhecimento pelo sujeito, essa escolha paradgmática torna-se inviável e o novo, inevitável...
Tenho uma concep;cão de sujeito que perpassa pela concepção de aprendizagem e de vida, isso como psicóloga e educadora, por isso, meu viés na dança do ventre não caberia em outro caminho, senão o do reconhecimento e transformação do sujeito, e para isso, há que se mergulhar em sua gênese, raízes e sua liberdade de expressão.  A dança entra como metodologia, ou seja, instrumento mediacional, possibilitador de aporendizagens sobre si e sobre o mundo..,.
 Daí hoje, para mim, ficou muito claro qual a minha filosofia na dança do ventre e o que busco dentro dela.. qual a fórmula de atuar enquanto professora e bailarina.
No começo, fazia todos os cursos de aperfeiçoamento que via pela frente e respeito quem faz essas escolhas, mas estou bem mais seletiva por que sei o que quero pelas minhas tantas formações, pela minha visão de mundo e os 16 anos em que estou nessa estrada.
Hoje quero cursos que agreguem valor, criações, expressividade, busca interior... quero tudo que potencialize que o sujeito possa manifestar-se em suas singularidades e verdades por meio do seu corpo.. quero aprofundar sempre mais nas fontes antigas e beber nesta vasta cultura, mas não me reconheço mais em cursos padròes  de repetições de movimentos e sequências..isso é o Outro...bom de admirar, mas não de ser e nem treinar sistematicamente e mecanicamente..
Minha meta, com minhas alunas, é que sejam Elas, cada vez mais lindas, mas... Elas, libertas, potencializadas, felizes e cientes de sua força e missão consigo e com o mundo..
Na dança profissional não é diferente, acredito na mensagem singular amparada pela mensagem universal da nossa dança, com seu poder arquetipico de tocar a alma de quem assiste com verdade, singularidade e luz!!!

Miliane Tahira  

2 comentários:

  1. Muito linda a sua mensagem. Me enriquece muito as suas palavras sábias em harmonia com as suas atitudes nobres.Te admiro muito! :*

    ResponderExcluir
  2. Oh, Dali. Também te admiro e fico feliz que essas palavras ecoem em sua alma. Beijocas.

    ResponderExcluir