16 de nov de 2014

Miopia - poema de Miliane Tahira



Desvendar os olhos
Enxergar para além de nossas próprias ilusões
Enxergar, olhar, ver..
Dimensões óticas diferentes,
O olho que só enxerga uma vertente,
Não ultrapassa a mente. MENTE.
Mentira que sustenta a ilusão
Trancafiada em obstáculos de curta visão
Torta e morta de face obscura
Sonho ou pesadelo
De sombras, almas doloridas, possessões e desespero.
O olho em sua fração de miopia,
Só vê bem perto,
Em uma casa solitária e vazia,
Cuja consciência não desperta
Não ultrapassa a fronteira do ego
Quase cego,restringe-se à solidão,
Fazendo da vida suada prisão,
Em lugares de rancor e ressentimentos...
Oh olho, desvende-se
Retire a neblina que te encobre
Pois além de ti há alma nobre
Capaz de ver ângulos que desconhece,
Não pela incapacidade do olhar,
Mas pela necessidade de estar
Preso em falsas percepções

Que escondem verdadeiras emoções.

Miliane Tahira 

Um comentário: