20 de mai de 2013

Entre a liberdade e a segurança - reflexão..




Passei grande parte da minha vida pensando que a felicidade era feita de pequenos momentos de alegria. Hoje descobri que ela é o nosso estado natural. A tristeza, solidão e outros sentimentos que nos causam angústia são ilusórios.
Nossa alma é plena e feliz...
Mas para alcançar esse tão almejado estado temos que reconhecer nossa essência, real identidade, que está para além dessa existência.
Não podemos libertar-nos do nosso ego, ele não é bom, nem mau, apenas necessário.

Nós humanos necessitamos  de um ego, não podemos destituí-lo, pois ele é o fator organizador de nossa vida, portanto muitas vezes, apesar de necessário é aprisionador, pois temos que nos conter para caber nas regras sociais.
Apenas id(instinto) não cabe em uma convivência social, pois, se assim fosse, não saberíamos conviver nessa esfera tempo/espaço. Acabaríamos por nos perder dentro de tantas possibilidades e confundir as nossas necessidades humanas, com as animais e espirituais.
Mas o que podemos fazer entre essa sensação de prisão, utopia, autonomia???

É perceber o ajuste adequado entre liberdade e segurança. E ao pensar na ética, onde acaba meu espaço e começa o do outro, sermos livres dentro de um espaço possível, onde haja uma proteção de nós mesmos e do nosso irmão,caso contrário, transforma-se em tirania, imposição de uma falsa liberdade em que pode-se tudo retirando de quem está do nosso lado a sua liberdade, cuidado e respeito.

Venho pensando muito sobre isso, inclusive no desenvolvimento infantil, o espaço do estruturar-se/constituir-se está entre essa tênue relação entre autonomia e segurança... um pouco a mais, um pouco a menos, transforma-se em sentimentos negativos...

Daí saímos do nosso estado natural (essencial e pleno). Sentindo-nos presos ou soltos demais, ambas as condições geram sofrimento...

Liberdade só existe dentro da esfera do ser com o outro...

Miliane Tahira


6 comentários:

  1. Os parabens da poesia merecidos a você que inova, cria, pensa e dialoga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grata, Josué Ramiro,.amigo poeta. Tudo que nos inspira toca o coração dos nossos irmãos pois temos a mesma substância. Beijocas.

      Excluir
  2. Belíssimo... e muito inspirador! Abraços fraternos. Antonio Carlos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grata por sua participação, caro amigo. Abraços luminosos!

      Excluir
  3. Se a felicidade é um estado natural e se para alcança-la temos que reconhecer a essência na sua totalidade o “ego” tem um papel fundamental, pois sem tomar partido fica apenas observando a disputa do superego e do id, para saber que lado deve pender. A prisão é liberta quando conseguimos descobrir o que é ser livre, o que é poder usufruir de uma liberdade segura. Adorei oi seu escrito, comungo com você na necessidade do “ego”, como ele nos faz bem. kkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato, amigo. Não temos como existir nesse espaço/tempo sem ego, isso seria o mais alto grau de loucura.. abraços.

      Excluir